fronteira

a cada dia que passa nossos desertos se expandem mais um pouco. até então, foi evitando o olhar que nos conformamos. mas agora, mesmo perifericamente, eles não nos serão invisíveis. quando meu deserto se encontrar com o seu, perderemos para sempre a fronteira que nos colocou em contato – o resto de nossos territórios serão reciprocamente inóspitos.

não sobrará nada de nosso.

primeiro vai ser a areia invadindo os olhos. a tempestade de vento. e antes que comecemos a entender tamareiras como sinais de água, estaremos tão fartos da sede que nos retiraremos.

toda essa aparente proximidade é extremamente frágil.
(nenhum de nós irá enfrentar seu próprio deserto.)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s